Episódio 14: Lean Inception – O poder do método de ir além e auxiliar os refugiados da Ucrânia – Parte 2

17 mar 2022 | Podcast

> Ouça este episódio

Eu sou o Paulo Caroli e este é o Podcast Mínimo Viável, onde compartilho conhecimento sobre as novas relações de trabalho e, assim, contribuo para a transformação de um mundo melhor.

Atendendo a pedidos, eu vou compartilhar nessa semana a continuação do que aconteceu com a Inception dos refugiados. Quem não ouviu o episódio passado, eu te peço a gentileza de voltar e ouvir aquele episódio antes de ouvir esse, que aí as coisas vão fazer mais sentido para você.

Resumidamente, no episódio passado importante, eu estava duas horas antes de facilitar uma Inception que foi a Inception mais da minha vida e, hoje, estou na semana seguinte. A Lean Inception foi quinta e sexta, hoje é quarta-feira eu estou compartilhando o que aconteceu e desde aquela Inception terminou, até hoje.

Primeiro, foi um super desafio fazer em duas, somente duas tardes. É muito pouco tempo, eu não recomendo isso para ninguém, para nenhum facilitador. Foi bem é… do desafio, do emocional, de uma Lean Inception importante para os refugiados, além é o desafio como facilitador quando você tem que diminuir muito tanto e fica muito, muito difícil para o facilitador. Você tem que cortar algumas arestas, então, não recomendo.

Mas, saiu né, compartilhei esse plano para o MVP . Saiu um inicial que foi super importante. Agora compartilhando, dado que a que a Inception a gente cortou foi em pouco tempo, o que ficou para depois da Inception? Pareceu para depois da Inception as jornadas, como a gente acelerou tanto, as jornadas não deu para detalhar muito.

Então, mesmo tendo definido o MVP, a gente não conseguiu ir muito adiante nos incrementos do produto. O que a gente fez nos dias seguintes da Inception é seguir detalhando as jornadas para a gente ter uma visão melhor para decidir os incrementos de produto.

No pensar, tudo bem, um trabalho que então começou, realmente, né, as pessoas que precisavam começar a começar a logo no MVP, os desenvolvedores já estavam trabalhando no outro grupo que trabalhavam e foram entender como incrementos do MVP.

Outra coisa que a gente fez logo na sequência foi pegar recursos, como funcionalidades que estavam no Canvas MVP, trazendo elas para o Canvas PBB . A gente fez o Product Backlog Building , agora com mais tempo, somente para as três primeiras funcionalidades que estão no MVP ea gente criou as histórias do usuário .

Só que, quando a gente foi criar histórias de usuário, a gente a gente também fez o design das primeiras telas. Interessante é que, como são poucas funcionalidades do MVP, a gente não precisou de um Design Sprint, mas a gente já fez um esboço de como seriam essas telas iniciais, algumas coisas eram hard coded (texto fixo no HTML) , outras não , a tela não era e a gente conseguiu escrever boas histórias do usuário já com a informação bem técnica.

Depois disso, o tempo se juntou, aliás, está se juntando agora, eu vou facilitar essa sessão para o tempo, que agora a gente vai parar e definir o Ways of Working. Sempre é importante definir o Ways of Working, nesse caso ele ainda é algumas vezes mais importante, porque como a gente fez tudo muito rápido e sessões com algumas pessoas, outras com outras, a gente precisa realinhar o grupo, trazer o grupo todo junto e falar do Modos de Trabalhar, porque dado que a gente acelerou tanto.

Então, o Ways of Working está implícito e como a gente está trabalhando com o MVP, ficou definido features de alto nível que nem a gente faz na Lean Inception, mas, também, a gente já tem definido, não no Jira, na ferramenta que a gente está usando, já algumas histórias de usuário, então, agora a gente precisa se juntar e definir o Ways of Working.

E aí, como é que vai ser? Vai ter uma diária? A gente vai se encontrar todo dia no mesmo horário? Vai ter reunião de planejamento? Vai ter revisão? Vai ser Scrum que a gente vai usar? Quem são os stakeholders? Quando a gente convida os stakeholders para mostrar o progresso? A gente vai usar definição de ready ou definição de done ?

Se sim, o que é para gente uma história, um item de trabalho, passar o padrão definição de pronto eo que é para a gente esse item de trabalho passar o definição de feito. Então, o que é interessante é que, dado que a Lean Inception foi muito rápida, o que vem depois da Inception está tomando bastante tempo.

Então, é interessante que agora esse Modos de Trabalhar a gente vai gastar, provavelmente, nele em umas quatro horas, então, tem bastante detalhe. Quando a gente tem uma Lean Inception, um PBB na sequência da Inception, em um ciclo de cinco dias, um PBB de um dia, o Ways of Working ele fica mais fácil na semana seguinte da Inception, lá na Sprint O.

E esse aqui, ele está com um grau a mais de dificuldade, beleza? Esse foi o relatoception e agora para sair para sair depois refletir: eu aprendi de maneira curta do Ways of Working, eu facilitei para o time e nessa eu pude ver, acompanhar como é que o time se sentiu super de uma Inception ser muito eficaz e já criar um assunto, já ir com o MVP e eu estou gravando um depois da reunião com as pessoas do tempo.

Claro que está todo mundo muito envolvido nesse projeto, então, todo mundo muito aberto e me dando esse feedback e a gente ficou conversando. Então, eu quero trazer para vocês um pouco desse bate papo que eu tive com o time.

Eles agradeceram muito né eu ter facilitado essa Inception e o papel do facilitador, de puxar isso tão rápido, decidir e fazer convergir no MVP, eles agradeceram e falaram: nossa, foi impressionante sim, realmente o processo, o método funciona.

Claro, eles também trouxeram, eles viram que, visivelmente, eu estava acelerando, o que deu para ver. Eles perceberam e reconheceram o valor de ter feito mais atividades, de entrar mais a fundo nas jornadas e outras coisas que a gente fez depois da Inception.

Então, a conclusão que eu tive é que, cara, oito horas é muito pouco, é o tempo que a gente passa no Treinamento de Lean Inception. A gente faz um Treinamento que não é um aplicativo completo, só para passar o conhecimento a gente gasta oito horas, então, fazer uma Inception em oito horas é muito pouco tempo.

Eu continuo pedindo: a Lean Inception ela tem que ser em uma semana, vale a pena. Claro que esse foi um projeto de emoção, que a gente trabalhou de noite, de manhã, então, a gente adicionou muita energia antes e depois da Inception, então, isso não é real.

Nos projetos que a gente trabalha, essa energia tem que ser no horário de trabalho, nas oito horas de trabalho. Então, eu continuo não aconselhando fazer uma Lean Inception em menos de três dias. Três dias dá para fazer, o melhor é uma semana. Dá para fazer em três dias.

Para fazer mesmo essa dos refugiados, eu teria pedido três dias tá, talvez com dois dias já tem uma ideia do que a gente acha que é para o MVP. Talvez não todo mundo, eu como facilitador, mais a pessoa do produto e mais uma pessoa desenvolvedora talvez. Tirar uma desenvolvedora ou duas para começarem já no MVP, enquanto o resto do time continuaria na Lean Inception mais um ou dois dias.

Talvez seja essa estratégia que eu, claro, olhando para trás, eu faria. Esse é episódio de hoje, eu queria trazer essa informação prática né, que a gente passa muito por isso, para vocês em primeira mão e, também, já trazer que a funcionalidade já está em produção.

Assim como a gente tenta fazer nas nossas empresas, o MVP tem que ser muito rápido e esse já está entrando em produção agora, já está no site da organização. Acho que a outra funcionalidade já está entrando amanhã. Então, sim, vale muito a pena fazer o MVP, o mínimo de esforço para ter o máximo de aprendizado e, nesse caso, o aprendizado quanto mais rápido melhor para a gente ajudar o maior número de pessoas possíveis. Está bom? Muito obrigado.

 

E aqui o episódio de hoje. Espero que você tenha gostado. Eu te peço para se inscrever e recomendar esse podcast na sua plataforma de podcast preferido, como Spotify e YouTube, e nas redes sociais. Ou, como eu prefiro: recomende aos amigos. Assim, você me ajuda com a missão de compartilhar conhecimento sobre as novas relações de trabalho, de forma a contribuir para a transformação de um mundo melhor.

>>> mais uma novidade: se você gostou da plataforma desse episódio, escreva um review na sua podcast preferido e nos envie um e-mail com um print para [email protected] Os cinco primeiros e-mails vão um livro ganhar a sua escolha.

>> nosso podcast a sua playlist

Caroli.org

A Caroli.org, com um excelente time e a integração de pessoas autoras, treinadoras, parceiras e demais colaboradoras, tem como missão principal compartilhar conhecimento e, dessa forma, contribuir para a transformação de um mundo melhor. Veja mais detalhes sobre nossos Treinamentos autorais e exclusivos, nossos Livros e muitos outros conteúdos em nosso Blog.
Episódio 46: MVP, equipe de produto e o tempo

Episódio 46: MVP, equipe de produto e o tempo

Neste episódio do Podcast Mínimo Viável, o criador da Lean Inception, Paulo Caroli, traz uma breve reflexão sobre Produto Mínimo Viável, equipe de produto e tempo, reforçando que, ao invés de buscar a solução definitiva para todo o produto, é muito mais efetivo para os times pensar primeiro no que é mais importante e em como validar isso.

ler mais
Episódio 45: A Arte da Facilitação

Episódio 45: A Arte da Facilitação

Você já parou para pensar na importância da pessoa facilitadora dentro de um time? Todas as reuniões que você participa são realmente efetivas? Neste episódio do Podcast Mínimo Viável, você vai conferir um excelente bate-papo com Diogo Riker e Vinicius Silva, autores do novo livro da Caroli.org “A Arte da Facilitação: O Poder da Facilitação e seu Verdadeiro Impacto na Cultura das Organizações”. Na oportunidade, eles trazem mais detalhes sobre a obra e este importante tema da facilitação.

ler mais

Pin It on Pinterest