🥳  No mês de Aniversário da Caroli.org, você estuda com 30% off usando o cupom: 7ANOSCAROLI. Escolha o seu treinamento!

Precisa de ajuda para escolher o seu
treinamento ou tem alguma dúvida?

Facilitação e mergulho: profundidade, tempo de permanência e descompressão

20 fev 2021 | Remoto

TAG:

Eu pensei nesse post para facilitadores de Inception mas logo percebi que ele também funciona para você que tem muitas reuniões e precisa facilitar a sua vida

Eu pensei nesse assunto quando participei de um energizer — qual seu primeiro emprego? — durante uma Inception.

Eu me lembrei que aos 14 anos de idade trabalhei como instrutor de mergulho (eu era tipo o mascote do grupo dos instrutores).

E me lembrei que no mergulho de garrafa, você deve estar atento e respeitar a combinação dessas três variáveis: profundidade, tempo de mergulho e tempo de descompressão.

No mergulho com garrafa de ar, você tem de respeitar a tabela de descompressão. Essa tabela demostra o tempo de descompressão, dependendo da profundidade na qual o mergulhador ficou e do tempo submerso.

Exemplo de tabela de descompressão; fonte: http://augustohse.blogspot.com/2013/04/nr-15.html

Compare na tabela os valores das linhas 3 e da linha 15:

  • na linha 3 – profundidade de 33 metros com tempo de fundo de 30 minutos e tempo de descompressão de 7 minutos;
  • na linha 15 – profundidade de 36 metros com tempo de fundo de 30 minutos e tempo de descompressão de 14 minutos.

A correlação (e controle) dessas três variáveis tem a ver com o risco de embolia causado pelo nitrogênio no sangue, que pode mudar do estado líquido para gasoso, caso você não respeite o devido tempo de descompressão.

Tipicamente o mergulhador planeja o seu mergulho. É mais ou menos assim: nesse primeiro mergulho, vou ficar a 20 metros de profundidade por 50 minutos, subo lentamente. Descanso (descomprimo) por 10 minutos antes de ir para o segundo mergulho.

O que a tabela demonstra é que se o mergulho for mais profundo, o tempo de permanência deve ser menor e o tempo de descompressão maior. Independente do planejamento antes do mergulho, o mergulhador controla o tempo e a profundidade, para decidir o tempo de descompressão.

Alias, a tabela demonstra o que é indicado. Mas é o mergulhador que decide. Afinal de contas o risco é do mergulhador.

Mas o que isso tem a ver com facilitação?

Tudo!

Como facilitador, você deve estar atento e respeitar a combinação dessas três variáveis: profundidade, tempo de mergulho e tempo de descompressão — tempo de mergulho é o tempo em que o grupo está “submerso em uma atividade” e tempo de descompressão é o tempo que as pessoas levam para descansar depois de uma atividade.

O ponto é que tanto como mergulhador quanto como facilitador, você deve respeitar uma tabela de descompressão.

Para te ajudar, eu criei uma tabela de descompressão para facilitadores.

  • Profundidade – o quão profundo foi a sessão?
    • tranquilo – os participantes estão bem descontraídos e curtindo a sessão
    • médio – os participantes estão um pouco cansados com a sessão
    • profundo – os participantes estão muito cansados com a sessão
  • Tempo submerso – o tempo de duração na qual os participantes estavam submersos na sessão
  • Tempo de descompressão – o tempo de intervalo antes de mergulhar na próxima sessão

* sessão =  atividade / reunião / workshop

Antes de escrever esse post eu já estava seguindo o racional apresentado nessa tabela. Para sessões mais cansativas, eu fazia ou 25 minutos de atividade para 5 minutos de break, ou 50 minutos por 10 minutos de break. Quando a conversa era muito profunda (exigindo mais de todos), eu aumentava o tempo de descompressão — o intervalo entre as sessões.

Espero que essa tabela te ajude. Bons mergulhos!

 

>> Esse é um exemplo de dicas de facilitação compartilhadas no treinamento Lean Inception. Participe, aprenda e compartilhe essa e mais dicas de facilitação com pessoas com interesses similares.

 

 

 

Paulo Caroli

Paulo Caroli é um consultor, autor e palestrante altamente respeitado, conhecido por criar a metodologia Lean Inception. Como autor de cinco livros influentes sobre agilidade nos negócios, incluindo o best-seller Lean Inception, ele traz uma vasta experiência prática para seu papel como Inception & OKR advisor na Thoughtworks - Expert in Product and Project Inception, Advisor on Team OKR. Paulo está profundamente envolvido em workshops estratégicos, desenvolvimento de produtos digitais e na orientação de equipes sobre agilidade nos negócios e estratégia de produto.
7 atividades quebra-gelo para equipes remotas

7 atividades quebra-gelo para equipes remotas

O quebra-gelo é uma atividade rápida que pode ser executada para energizar a equipe e promover a interação do grupo. É um bom começo para qualquer reunião de equipe, criando um ambiente amigável e deixando as pessoas mais confortáveis ​​para interagir. Neste artigo, o autor Paulo Caroli apresenta sete ótimos quebra-gelos energizadores para você impulsionar as reuniões remotas de seu time e o passo a passo de como desenvolvê-los.

ler mais

Pin It on Pinterest