Strike Team OKR: O poder das metas colaborativas temporárias

30 ago 2023 | OKR

Aqui você irá aprender sobre:

Aquí aprenderás sobre:

Here you will learn about:

Ici, vous apprendrez:

Qui imparerai a conoscere:

Hier erfahren Sie Folgendes:

No mundo dos OKRs, o conceito de objetivos compartilhados entre equipes operacionais tem sido tema de debate. Como estrategista de OKR, frequentemente encontro dúvidas sobre a eficácia dos OKRs compartilhados e como eles impactam as estratégias e o alinhamento e execução da equipe. Através da minha experiência, passei a apreciar a importância de distinguir entre “OKRs de Equipe Operacional”, que se complementam, e “OKRs de Equipe de Ataque” (Strike Team OKRs, em inglês), para esforços temporários e colaborativos. Neste artigo, irei me aprofundar no conceito de “OKRs de Equipe de Ataque” e seu potencial único.

Iniciativas Colaborativas: Desafios e Responsabilidades em OKRs Compartilhados

Quando indivíduos de diferentes equipes se unem na busca de um objetivo compartilhado, uma série de desafios relacionados ao compromisso e à responsabilidade pode surgir. A própria natureza de envolver múltiplas equipes pode complicar a clareza sobre quem é responsável pelo quê e como as ações necessárias serão realizadas para alcançar esse objetivo.

O conceito de OKRs compartilhados visa abordar exatamente essa questão. Embora a resposta seja afirmativa no que diz respeito a indivíduos de equipes distintas colaborando em um OKR compartilhado, é essencial entender que essa abordagem não se trata de unificar equipes inteiras sob um único objetivo. Em vez disso, trata-se de alinhar indivíduos com habilidades complementares para alcançar um propósito comum.

No entanto, é aqui que a gestão do compromisso e da responsabilidade desempenha um papel crucial. Quando várias pessoas compartilham um objetivo, é importante compreender claramente a prestação de contas e as responsabilidades. Isso envolve identificar quem serão os responsáveis pelo OKR, quem serão os principais contribuintes e como ocorrerá a colaboração. Além disso, o grupo responsável pelo OKR deve definir o objetivo, como avaliar o progresso (Resultados-Chave) e garantir que cada indivíduo esteja comprometido com sua parte na conquista do OKR.

O desafio de manter o compromisso e a responsabilidade pode ser enfrentado por meio de comunicação eficaz e transparência. A colaboração em um OKR compartilhado deve ser apoiada por uma comunicação constante entre os envolvidos, onde as atualizações são compartilhadas, dúvidas são esclarecidas e obstáculos potenciais são resolvidos. Além disso, reconhecer e celebrar conquistas ao longo do caminho pode promover uma sensação de realização compartilhada e motivação para continuar.

Em resumo, a possibilidade de perseguir um OKR compartilhado entre indivíduos de diferentes equipes existe, mas para garantir o compromisso e a responsabilidade, um planejamento e gestão cuidadosos são necessários. Clareza na prestação de contas, comunicação constante e foco nas contribuições individuais são elementos essenciais para superar os desafios inerentes a objetivos compartilhados por muitas pessoas.

 

Um exemplo de OKR compartilhado e equipe de ataque

Para ilustrar a essência dos objetivos compartilhados e do conceito de equipes de ataque, vamos explorar um cenário dentro de uma grande organização que adota OKRs para equipes (em breve, em outro artigo, vou explicar a diferença entre OKR e OKR para equipes). Dentro desta organização, existem duas equipes distintas – a equipe de fluxo de pagamentos e a equipe de busca. Cada equipe opera com um conjunto distinto de objetivos adaptados às suas funções específicas. No entanto, surge uma reviravolta cativante à medida que ambas as equipes englobam indivíduos qualificados em experiência do usuário (UX). Reconhecendo uma convergência de interesses em determinados componentes de UX, esses experientes profissionais  elaboraram um Objetivo comum:

OBJETIVO: Aprimorar os componentes padrão de UX para responsividade em dispositivos móveis até o final do Q3.

O objetivo visa otimizar os componentes de UX de seus produtos para garantir que funcionem bem e sejam exibidos corretamente em dispositivos móveis. As pessoas de UX de ambos os times decidiram unir forças, já que possuem vários componentes de UX em comum. Essa melhoria tem como meta ser concluída até o final do terceiro trimestre (Q3).

 

Um exemplo de OKR para uma equipe de ataque

Agora, vamos investigar mais a fundo: será que este novo objetivo incorpora verdadeiramente um objetivo partilhado? A resposta é afirmativa, mas é imprescindível compreender que este objetivo não abrange a totalidade da equipe de fluxo de pagamentos e da equipe de busca. Em vez disso, significa um OKR compartilhado propositalmente adaptado, meticulosamente elaborado por Mary, John (as especialistas em UX na equipe de fluxo de pagamento), Anne e Thomas (as profissionais de UX na equipe de busca).

OBJETIVO: Aprimorar os componentes padrão de UX para responsividade em dispositivos móveis até o final do Q3.

  • KR1: Alcançar um Índice de Velocidade de Página Móvel de 85 para a página de Resultados de Pesquisa no Google PageSpeed Insights até o final do Q3.
  • KR2: Reduzir a taxa de rejeição móvel em 20% nas páginas  principais até o final do Q3.
  • KR3: Garantir que 90% dos componentes de UX comuns exibam comportamento consistente em vários dispositivos móveis até o final do Q3.
  • KR4: Receber feedback positivo de pelo menos 75% dos usuários em relação à experiência móvel aprimorada até o final do Q3.
Exemplo de Strike Team - meta compartilhada de UX

Exemplo de Strike Team – meta compartilhada de UX

Mary, John, Anne e Thomas estabeleceram este OKR, projetado para aprimorar a experiência do usuário móvel. Embora possa não abranger todos os aspectos de suas equipes originais, ele está alinhado com os objetivos de sua equipe de ataque UX. Com metas específicas como atingir uma pontuação de 85 no PageSpeed para dispositivos móveis, reduzir taxas de rejeição e garantir elementos de UX consistentes, este OKR impulsiona mudanças substanciais em direção ao objetivo de sua equipe de ataque.

Um exemplo de OKR para as equipes operacionais

Será que este recém-formulado OKR realmente incorpora um OKR compartilhado? Sem dúvida, mas com uma distinção crucial. Este OKR não abrange todas as atividades realizadas pelas equipes de fluxo de pagamento e busca. Em vez disso, foi precisamente projetado para se alinhar com as necessidades identificadas pelos profissionais de experiência do usuário.

Neste contexto, é essencial reconhecer que um foco compartilhado não implica em completa unificação. Em vez de tentar convergir todos os objetivos das equipes, trata-se de identificar áreas de interseção onde os objetivos individuais podem se harmonizar em direção a um propósito comum, formando uma equipe de impacto e permitindo que eles criem e persigam seus OKRs.

Agora, para fornecer maior clareza e exemplificar, permita-me apresentar OKRs específicos para cada uma dessas equipes:

OKR da Equipe de Fluxo de Pagamento

Objetivo: Otimizar a eficiência e confiabilidade do processo de pagamento online para aumentar a satisfação do usuário até o final do terceiro trimestre.

  • KR1: Reduzir o tempo de carregamento da página de pagamento em 30% até o final do terceiro trimestre.
  • KR2: Aumentar a taxa de conversão no processo de pagamento em 15% até o final do terceiro trimestre.
  • KR3: Implementar um sistema de detecção de erros em tempo real que reduza os erros de transação em 25% até o final do terceiro trimestre.

OKR da Equipe de Busca

Objetivo: Aprimorar a experiência de busca na plataforma para aumentar a retenção de usuários até o final do terceiro trimestre.

  • KR1: Aumentar a precisão dos resultados de busca em 20% até o final do terceiro trimestre.
  • KR2: Implementar um filtro avançado que permita aos usuários refinar suas buscas em 30% mais categorias até o final do terceiro trimestre.
  • KR3: Reduzir o tempo médio para exibir os resultados de busca em 40% até o final do terceiro trimestre.

Cada um desses OKRs é meticulosamente elaborado para se alinhar com os objetivos e responsabilidades distintos de suas respectivas equipes. Tal abordagem capacita tanto as equipes operacionais quanto as equipes de ataque a estabelecer e perseguir seus OKRs exclusivos, fomentando uma cultura de responsabilidade e propriedade que impulsiona o sucesso.

A dinâmica da equipe de ataque

Mary, John, Anne e Thomas unem seus talentos coletivos para formar o que pode ser adequadamente chamado de “time de ataque”. Esse conjunto dinâmico converge temporariamente para perseguir um objetivo específico – neste caso, aprimorar elementos selecionados de experiência do usuário (UX). Seu funcionamento ocorre em paralelo aos objetivos regulares da equipe, embora com um toque único e temporário. Isso se assemelha a uma força-tarefa especial que dedica esforços intensivos para alcançar objetivos específicos dentro de um prazo definido.

 

A essência de OKR para equipes de ataque

Essencialmente, esses indivíduos se unem para formar uma “equipe de ataque”, um conjunto transitório alinhado em torno de um objetivo específico, neste caso, melhorar os componentes de UX. Os OKRs da equipe de ataque adota princípios similares aos OKRs de suas equipes originais, com uma distinção fundamental: os OKRs dessa equipe são compartilhados entre indivíduos de diferentes equipes, e essa equipe de ataque é de natureza temporária, ao contrário das equipes originais que costumam perdurar por mais tempo.

 

Outro exemplo de Strike Team OKR – melhorando o Build Pipeline

Permitam-me apresentar outro cenário de vários anos atrás, quando eu estava profundamente envolvido em um grande programa de trabalho que englobava muitas equipes de desenvolvimento. Um problema recorrente surgiu em muitas dessas equipes: o build pipeline compartilhado falhava muito, levando a interrupções no fluxo de trabalho de todas as equipes. Reconhecendo a urgência, decidimos que enfrentar este desafio era uma responsabilidade coletiva, transcendendo os limites dos objetivos específicos de cada equipe. Abaixo, o objetivo comum entre as equipes de desenvolvimento:

OBJETIVO: Aprimorar a confiabilidade do build pipeline compartilhado para mitigar interrupções entre as equipes de desenvolvimento e promover uma abordagem coletiva para enfrentar esse desafio até o final do ano.

Caminho para a resolução – Criando a equipe de ataque

O que fizemos? Criamos de uma “equipe de ataque” – um grupo de pessoas apaixonadas por enfrentar este desafio de frente. Esta equipe de ataque reuniu-se para deliberar sobre as questões, alinhar as suas perspectivas e forjar coletivamente um objetivo unificado destinado a retificar as deficiências do build pipeline.

OKR da equipe de ataque Pipeline Warriors

Embora a estrutura de OKRs não estivesse explicitamente implementada naquela época (eu estava nesta equipe em 2007, antes de aprender sobre OKRs), nossa abordagem refletia de perto seus princípios. Constituímos uma equipe de ataque distinta, denominada “Pipeline Warriors” (ou “Guerreiros do Pipeline”, em português)  para esse propósito específico. Desenvolvedores de diversas equipes não abandonaram suas equipes originais; em vez disso, dedicaram as sextas-feiras exclusivamente para enfrentar os desafios do pipeline. A equipe de ataque “Pipeline Warriors” permaneceu ativa por cinco meses, período durante o qual trabalhou para alcançar as melhorias desejadas no pipeline.

exemplo de equipe de ataque - The Pipeline Warriors

Exemplo de Strike Team – The Pipeline Warriors

Notavelmente, ao longo deste esforço, não impusemos um OKR compartilhado entre todas as equipes operacionais relativas às melhorias do pipeline. Em vez disso, a equipe dos “Pipeline Warriors” elaborou um conjunto de objetivos e resultados-chave, promovendo a lucidez e o foco inabalável em sua missão específica.

OBJETIVO: Aprimorar a confiabilidade do build pipeline compartilhado para mitigar interrupções entre as equipes de desenvolvimento e promover uma abordagem coletiva para enfrentar esse desafio até o final do ano.

  • KR1: Reduzir as falhas no pipeline em 30% por meio de monitoramento proativo e identificação antecipada de problemas até o final do ano.
  • KR2: Alcançar uma redução média de 20% no tempo de compilação otimizando a arquitetura do pipeline e alocação de recursos até o final do ano.
  • KR3: Implementar protocolos de testes automatizados para garantir um desempenho consistente do pipeline de compilação, resultando em uma diminuição de 25% nas interrupções relacionadas à regressão até o final do terceiro trimestre.
  • KR4: Estabelecer canais de colaboração entre as equipes, resultando em 90% dos problemas de compilação relatados sendo tratados colaborativamente em até 48 horas até o final de agosto.
  • KR5: Coletar feedback das equipes de desenvolvimento por meio de pesquisas regulares, visando uma taxa de satisfação de 85% com a confiabilidade aprimorada do pipeline até o final do ano.
  • KR6: Documentar as melhores práticas e procedimentos operacionais padrão para o pipeline de compilação, garantindo que 100% das equipes de desenvolvimento estejam alinhadas com a abordagem coletiva até o final do terceiro trimestre.

O poder dos Strike Team OKRs

Em vez de impor OKRs compartilhados em equipes operacionais, surge uma alternativa – o conceito de “Equipes de Ataque”. Essas equipes se destacam em iniciativas temporárias e colaborativas, reunindo membros de várias equipes que estão unidos por uma aspiração compartilhada.

No entanto, o que diferencia os “OKRs de Equipes de Ataque” não é apenas sua natureza colaborativa, mas também o maior senso de responsabilidade e comprometimento que eles promovem. Ao contrário da potencial confusão e desalinhamento que podem surgir de OKRs compartilhados entre diversas equipes operacionais, os “OKRs de Equipes de Ataque” estabelecem uma linha de responsabilidade mais clara.

Cada membro de uma equipe de ataque está profundamente ciente de seu papel específico e do impacto direto que têm na realização do objetivo da equipe. Esse senso elevado de responsabilidade individual é um resultado direto da natureza temporária da equipe de ataque – com um cronograma focado, a urgência por resultados tangíveis é palpável. Os membros sentem uma propriedade aumentada da missão compartilhada, sabendo que suas ações influenciam significativamente o sucesso da equipe.

Em cenários ideais, as equipes de ataque são montadas para enfrentar desafios que exigem uma combinação de expertise de várias áreas operacionais. Esses cenários muitas vezes abrangem equipes e exigem atenção concentrada, tornando a formação de uma equipe de ataque a abordagem mais pragmática. Durante a colaboração, os membros da equipe não apenas coexistem; eles sinergizam suas diversas habilidades, contribuindo para um resultado compartilhado.

Considerações finais

Em resumo, os “OKRs de Equipes de Ataque” têm o poder de transformar a maneira como as equipes encaram a colaboração, a responsabilidade e o comprometimento. Ao reunir indivíduos com foco em um objetivo específico e temporário, essas equipes criam um ambiente de propriedade e ação orientada por resultados.

Esse aumento na responsabilidade e no comprometimento não se limita aos membros individuais, mas abrange toda a equipe de ataque. O esforço colaborativo se transforma em uma rede de compromissos, onde cada contribuição se entrelaça para atingir o objetivo coletivo da equipe. Esse senso claro de responsabilidade motiva as equipes a buscarem a excelência e fomenta um ambiente de apoio mútuo.

Ao enfrentar desafios colaborativos, a formação de uma equipe de ataque com objetivos específicos se revela uma opção notável e altamente eficaz, especialmente quando se trata de OKRs compartilhados. Abraçar as capacidades da colaboração temporária e capacitar suas equipes a navegar pelas complexidades do cenário de trabalho dinâmico de hoje é uma forma de alcançar conquistas notáveis e cultivar uma cultura de responsabilidade coletiva.

Estendo minha gratidão ao Allan Torres por sua valiosa revisão e assistência na conceituação do termo “Strike Team OKR.”

 

Gostou deste conteúdo?

Se você se interessou pelo tema, confira mais detalhes sobre o Treinamento Team OKR Facilitator: Alcançando o Sucesso da Equipe com OKRs e se inscreva na próxima turma.

Ouça o episódio do Podcast Mínimo Viável: Episódio 58: OKR para times de ataque

Veja, abaixo, a série de artigos sobre o assunto:

Paulo Caroli

Paulo Caroli é um apaixonado por inovação, empreendedorismo, produtos digitais, processo, pessoas e transformação. Como autor do best-seller “Lean Inception” e facilitador de workshops estratégicos, sua contribuição tem sido fundamental para o avanço de práticas ágeis em diversas organizações. Como autor, palestrante, consultor e facilitador, Caroli já ajudou muitas pessoas, times e organizações a desbloquear ideias e aprimorar a forma de trabalhar, inspirando muitos a buscar o sucesso em suas próprias trajetórias profissionais.
Questionando ‘Por que este KR’: Aperfeiçoando os Resultados-Chave

Questionando ‘Por que este KR’: Aperfeiçoando os Resultados-Chave

Neste artigo, aprofundamos a questão fundamental: “Por que este KR é importante para o objetivo?” durante o processo de definição dos Resultados-Chave (KRs). Apresentamos três cenários esclarecedores: (1) a transformação de um KR inicialmente centrado em output em um orientado para outcome, (2) a identificação da necessidade de KRs complementares e (3) a validação de que o KR original está bem formulado. Cada cenário oferece valiosas lições sobre a definição de KRs e a garantia de seu alinhamento efetivo com os objetivos.

ler mais
Retrospectiva Atratores ou Detratores para OKRs

Retrospectiva Atratores ou Detratores para OKRs

Na série sobre OKRs, o autor Paulo Caroli apresenta a Retrospectiva Atratores ou Detratores para OKRs. É uma atividade muito útil no início da jornada de equipes e organizações com OKRs, ajudando a identificar problemas como a falta de foco, interrupções e outras atividades que podem atrapalhar o trabalho em equipe em relação a alcançar seus objetivos.

ler mais

Pin It on Pinterest