Precisa de ajuda para escolher o seu
treinamento ou tem alguma dúvida?

Alinhando os esforços da equipe com a estratégia da organização: a abordagem Team OKR

25 jun 2024 | Cultura Ágil

TAG:

Este artigo destaca a importância de alinhar o Team OKR com a estratégia organizacional. Ele elabora um exemplo do mundo real que demonstra como os OKRs da equipe apoiam as metas corporativas por meio de cenários de diferentes pontos de vista. O Team OKR defende capacitar as equipes para definir e executar seus OKRs de acordo com a visão estratégica mais ampla, enfatizando a propriedade e a responsabilidade. Ele recomenda alinhar os OKRs da equipe com os objetivos organizacionais, em vez de colocá-los em cascata, facilitando a execução estratégica eficaz.

Principais Conclusões

  • O alinhamento estratégico é essencial: A execução eficaz da estratégia de uma organização exige que os objetivos da equipe estejam cuidadosamente alinhados com as metas corporativas mais amplas.
  • Empoderamento por meio de Team OKR: A implementação de Team OKR incentiva as equipes a participarem ativamente na definição e alcance de objetivos que contribuem para os planos estratégicos da organização, promovendo um senso de propriedade e comprometimento.
  • O papel da liderança na facilitação dos OKRs: Os líderes desempenham um papel crucial em preencher a lacuna entre a estratégia corporativa e a execução da equipe.
  • O desafio da propriedade do OKR: Um desafio significativo no planeamento estratégico é garantir que todos os objetivos tenham uma apropriação clara.
  • Flexibilidade no Planejamento Estratégico: Os objetivos em cascata podem não ser tão eficazes quanto permitir que as equipes alinhem seus OKRs com as metas organizacionais. Esta flexibilidade suporta um processo de execução estratégica mais dinâmico e ágil.

Exemplo de Estratégia Organizacional

As corporações precisam ter uma estratégia. Por exemplo, uma startup de produtos digitais de sucesso do Vale do Silício tomou a seguinte decisão estratégica: “Vamos expandir primeiro para a América Latina e depois para a Europa”.

Esta é uma estratégia clara no nível organizacional. No entanto, qualquer estratégia corporativa depende das pessoas que a fazem acontecer – as equipes! Portanto, as equipes devem ter estratégias próprias para implementar o que a corporação pretende alcançar.

Seguindo o exemplo, se a startup estiver se expandindo dos EUA para a América Latina, o RH precisará contratar mais funcionários que falem espanhol e português; as operações precisarão alugar escritórios em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México; e o desenvolvimento de produtos deve lidar com recursos de localização e tradução.

O fato de as equipes desta startup estarem fazendo essas coisas significa que não estão fazendo outra coisa. Esta é uma escolha estratégica. Por exemplo, o RH decide concentrar-se primeiro em encontrar pessoas que falem inglês e português ou inglês e espanhol, em vez de contratar apenas pessoas que falem inglês ou pessoas que falem inglês e outra língua europeia. A equipe de RH precisa manter a cultura e o idioma oficial da organização, o inglês. Além disso, sabem que a direção estratégica da organização não está direcionada para o mercado europeu neste momento; portanto, nenhuma outra língua europeia é obrigatória para os novos contratados.

As estratégias organizacionais e de equipe devem estar alinhadas

Para que a estratégia de uma organização seja executada de forma eficaz, é essencial que as estratégias da equipe não sejam apenas concebidas com propósito, mas também alinhadas com os objetivos corporativos mais amplos. Por exemplo, a contratação de RH de um candidato que fale francês, em vez de um que fale português, estaria desalinhada com o objetivo imediato de entrar no mercado brasileiro. Esse objetivo é destacado pela instalação da equipe de operações em São Paulo e pela equipe de desenvolvimento de produtos agregando suporte PT-BR. As estratégias devem ser autônomas, mas alinhadas aos objetivos mais amplos da corporação.

Em nosso exemplo de expansão desta startup, o foco atual está em preparar tanto o produto quanto os mecanismos operacionais para o sucesso no Brasil, começando com um escritório local em São Paulo. Consequentemente, recrutar um indivíduo que fale francês em vez de um que fale português neste momento não contribuiria para os objetivos estratégicos imediatos da empresa voltados para o mercado brasileiro.

OKR para Definição e Execução de Metas Estratégicas

OKR, abreviação de Objectives and Key Results, é uma estrutura poderosa para definir estratégias e executar planos em diferentes níveis organizacionais, incluindo organizacional, de equipe e individual. Este artigo se concentra nos OKRs de equip, o Team OKR. Vamos nos aprofundar na articulação dos objetivos estratégicos para o exemplo da startup e suas três equipes específicas usando a estrutura OKR, fornecendo um exemplo abrangente para ilustrar o conceito de  Team OKR.

Objetivos estratégicos da startup::

  • Objetivo: Expandir com sucesso as operações para a América Latina em seis meses.
  • KRs:
    1. Lançamento de operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México.
    2. Alcançar uma penetração de mercado de 5% no mercado latino-americano.
    3. Estabelecer parcerias com pelo menos três distribuidores locais em cada novo mercado.

Objetivo da equipe de RH: Construir uma equipe cultural e linguisticamente competente para as operações na América Latina.

  • KRs:
    1. Contratar 10 novos funcionários fluentes em espanhol e português.
    2. Realizar treinamentos de competências culturais para todos os membros da equipe envolvidos no mercado latino-americano.
    3. Alcançar um índice de satisfação dos funcionários de 80% entre a equipe recém-contratada.

Objetivo da equipe de operações: Estabelecer bases operacionais de forma eficiente em 3 principais cidades da América Latina.

  • KRs:
    1. Estabelecer escritórios em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México em três meses.
    2. Estabelecer redes de logística e cadeia de suprimentos cobrindo os principais mercados da América Latina em três meses.
    3. Implementar processos operacionais localizados e adaptados às regulamentações e condições de mercado de cada cidade até o final do trimestre.

Objetivo da equipe de desenvolvimento de produto: Adaptar e localizar a oferta de produtos para o mercado latino-americano.

  • KRs:
    1. Concluir a localização de produtos, incluindo tradução de idiomas e adaptação cultural, para os mercados brasileiro, argentino e mexicano.
    2. Lançar uma versão beta do produto localizado e obter feedback de pelo menos 100 usuários em cada novo mercado.
    3. Implementar os ajustes necessários no produto com base no feedback da versão beta e lançá-lo oficialmente nos mercados latino-americanos dentro de seis meses.

Embora os OKRs sejam úteis em todos os níveis, meu foco é aplicar OKR no nível da equipe – TeamOKR – para ajudar as equipes a alinhar, definir e executar suas estratégias de maneira eficaz. Esta distinção enfatiza a importância dos OKRs no nível da equipe na condução da execução estratégica.

Cenários para exemplificar o Team OKR

Abaixo estão três cenários que ilustram diferentes perspectivas para atingir os objetivos estratégicos da startup de exemplo.

Cenário 1 de Team OKR: você faz parte da equipe de RH

Imagine que você faz parte do time de RH e participou do workshop para definir o OKR do seu time, da seguinte forma:

Objetivo da equipe de RH: Construir uma equipe cultural e linguisticamente competente para as operações na América Latina.

  • KRs:
    1. Contratar 10 novos funcionários fluentes em espanhol e português.
    2. Realizar treinamentos de competências culturais para todos os membros da equipe envolvidos no mercado latino-americano.
    3. Alcançar um índice de satisfação dos funcionários de 80% entre a equipe recém-contratada.

Durante o workshop, você estava totalmente engajado, obtendo uma compreensão clara do objetivo corporativo de expandir com sucesso as operações para a América Latina dentro de seis meses, com a Europa identificada como o próximo alvo. Você contribuiu para a redação do OKR da equipe de RH e se dedica à sua realização. Você e um colega já começaram a discutir possíveis abordagens para conduzir o treinamento de competências culturais.

Cenário 2 de Team OKR: você é o COO (Chief Operations Officer)

Imagine-se como COO, participando de um workshop ao lado de outros executivos C-level, onde vocês formularam coletivamente o seguinte OKR para a StartUp.

Objetivos estratégicos da startup:

  • Objetivo: Expandir com sucesso as operações para a América Latina dentro de seis meses.
  • KRs:
    1. Lançamento de operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México.
    2. Alcançar uma penetração de mercado de 5% no mercado latino-americano.
    3. Estabelecer parcerias com pelo menos três distribuidores locais em cada novo mercado

Durante o workshop estratégico C-level, você desempenhou um papel ativo, esclarecendo os rumos estratégicos e contribuindo para a elaboração do KR1, que especificou as três cidades alvo da expansão inicial. Após a sessão estratégica de nível C, você incluiu o KR1 no planejamento de OKR do seu time, a equipe de operações. Juntamente com as pessoas do seu time, você ajudou na formulação do seguinte OKR da equipe de Operações:

Objetivo da equipe de operações: Estabelecer bases operacionais de forma eficiente em 3 principais cidades da América Latina.

  • KRs:
    1. Estabelecer escritório em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México em três meses.
    2. Estabelecer redes de logística e cadeia de suprimentos cobrindo os principais mercados da América Latina em três meses.
    3. Implementar processos operacionais localizados e adaptados às regulamentações e condições de mercado de cada cidade até o final do trimestre.

Para garantir o progresso contínuo, você organizou reuniões semanais de revisão do Team OKR. Estas sessões semanais proporcionam uma oportunidade para rever os objectivos da equipe e manter o dinamismo.

Além disso, você participa de uma reunião mensal com o C-level, onde atualiza o status do OKR da sua equipe. Seus colegas do C-level apreciam essas atualizações, pois oferecem uma visão clara e concisa do progresso no lançamento das operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México, garantindo que todos estejam informados e alinhados com este objetivo estratégico.

Seus colegas do C-level veem você como um líder ativo e informado, que tem um conhecimento sólido das atividades do seu time. Sua equipe de operações vê você como um líder servidor e colaborativo que não apenas os representa em vários fóruns, mas também confia neles para definir e perseguir seus objetivos de forma ativa e participativa. Esse estilo de liderança aumentou significativamente a motivação e o comprometimento de sua equipe com seus objetivos, resultando em um moral elevado.

Cenário 3 de Team OKR: você é o CEO

Visualize-se como CEO, participando de um workshop ao lado de outros executivos C-level, onde vocês escreveram o seguinte OKR para a Startup.

Objetivos estratégicos da startup::

  • Objetivo: Expandir com sucesso as operações para a América Latina dentro de seis meses.
  • KRs:
    1. Lançamento de operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México.
    2. Alcançar uma penetração de mercado de 5% no mercado latino-americano.
    3. Estabelecer parcerias com pelo menos três distribuidores locais em cada novo mercado.

KR1 está bem porque o COO passou para sua equipe. Porém, KR 2 e KR 3, apesar de bem escritos, não estão representados em nenhum OKR de equipe, sendo que a startup conta atualmente apenas com equipes de RH, Operações e Desenvolvimento de Produto.

O problema surge quando esses resultados-chave da organização não possuem uma equipe dedicada para assumir a responsabilidade. É ineficaz para os executivos delinearem objetivos como o KR2 em nosso exemplo, que enfatiza alcançar uma penetração de mercado de 5% na América Latina, sem designar uma equipe específica para conduzir esses esforços.

A solução é simples: antes de definir tais objetivos críticos, identifique ou estabeleça a equipe responsável por eles. Isso pode exigir a criação de uma equipe de vendas, desenvolvimento de negócios ou comercial. Determine os membros dessa nova equipe e permita que eles formulem seu próprio Team OKR  (trabalhe com eles, não cascateie OKR a eles!). Essa abordagem garante que cada OKR tenha um dono claro e uma equipe comprometida com sua realização.

O KR1 foi adotado com sucesso porque a COO, presente na discussão, levou-o para sua equipe e criou o Team OKR da equipe de Operações. Como CEO, é crucial garantir que todos os pontos estratégicos – como os que atualmente estão escritos como KR1, KR2 e KR3 – não sejam apenas reconhecidos pela sua validade, mas também sejam apoiados por equipes capazes de execução. Em vez de rotular prematuramente esses objetivos como OKRs sem donos, concentre-se em definir as equipes apropriadas. Só então você deve pedir a eles que desenvolvam seu Team OKR.

Cascata de OKRs versus Alinhamento dos Team OKRs com os Objetivos Estratégicos da Organização

Os desafios do cenário 3 apresentados acima – Você é o CEO – ressaltam a importância de elaborar OKRs de equipe que estejam sincronizados com os objetivos estratégicos no nível organizacional. Dessa forma, essas metas podem ser articuladas como OKRs organizacionais, conforme ilustrado no texto abaixo:

Objetivos estratégicos da startup:

  • Objetivo: Expandir com sucesso as operações para a América Latina dentro de seis meses.
  • KRs:
    1. Lançamento de operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México.
    2. Alcançar uma penetração de mercado de 5% no mercado latino-americano.
    3. Estabelecer parcerias com pelo menos três distribuidores locais em cada novo mercado.

Alternativamente, simplesmente descreva os objetivos da organização:

Objetivos estratégicos da startup:

  • Objetivo 1: Lançar operações em São Paulo, Buenos Aires e Cidade do México em seis meses.
  • Objetivo 2: Garantir uma penetração de mercado de 5% no mercado latino-americano.
  • Objetivo 3: Formar parcerias com pelo menos três distribuidores locais em cada novo mercado.

Em seguida, prossiga para as seguintes etapas:

  1. Identifique quem ou quais equipes serão responsáveis ​​por cada um desses objetivos.
  2. Permita que as equipes estabeleçam seus próprios OKRs de equipe.

Quando se trata de aplicar OKR no nível estratégico corporativo, tenho uma posição distinta: geralmente desaconselho o uso de OKRs para estratégias corporativas abrangentes. Este ponto de vista pode ser menos comum, mas tenho reservas quanto à eficácia da cascata de OKRs para a organização. Em vez de uma imposição de cima para baixo, defendo o conceito de garantir uma compreensão clara dos objectivos estratégicos da organização e de promover o alinhamento e o envolvimento proactivo entre as equipas em direcção a esses objectivos. Essa abordagem constitui o núcleo do que chamo de TeamOKR.

No nível corporativo, considere articular os objetivos desejados e depois capacitar as equipes para estabelecerem seus próprios OKRs de equipe. Cada time, cada equipe é responsável por definir seus  objetivos específicos e determinar resultados-chave para demonstrar o progresso. Este método permite verificar o alinhamento com as metas corporativas abrangentes sem a necessidade de uma cascata direta de objetivos para as equipes. Essencialmente, promove a autonomia e incentiva as equipas a apropriarem-se das suas contribuições para alcançar os objetivos estratégicos organizacionais mais amplos, promovendo assim uma abordagem mais empenhada e reativa à execução estratégica.

Team OKR: “Você define o OKR, você faz acontecer”

Team OKR se destaca como uma estrutura de execução em nível de equipe, onde se desenrola a realização tangível da estratégia de uma organização. Isso reflete o mantra frequentemente atribuído às equipes da Amazon: “Você constrói, você opera”, adaptado ao contexto estratégico do OKR da equipe como “Você define o OKR, você faz acontecer”. Este princípio sublinha o meu ponto de vista contra a prática generalizada de OKRs em cascata. Embora seja crucial para a alta administração delinear a visão estratégica, eles devem evitar prescrever as táticas de execução se não estiverem envolvidos nas operações diárias.

“Você define o OKR, você faz acontecer” – Team OKR

Se você faz parte da equipe encarregada da execução, então você é responsável por definir os objetivos (Team OKR) e garantir seu cumprimento. Porém, se você não faz parte da equipe executora, seu papel é articular a estratégia e especificar os objetivos desejados. Depois disso, é essencial o envolvimento com a equipe responsável pelo cumprimento desses objetivos, facilitando uma abordagem colaborativa para a realização estratégica.

Lidando com múltiplos Team OKRs

Podem surgir preocupações quando um OKR não se alinha perfeitamente com uma única equipe. Nesses casos, é aconselhável revisitar a estrutura da equipe para garantir que cada Team OKR tenha limites bem definidos. Esta revisão estratégica pode promover responsabilidades e comprometimentos mais claros (para um mergulho mais profundo neste tópico, consulte meu artigo anterior: “Coordinated OKRs: Navigating Shared Objectives Within Operational Teams“). Em situações em que as iniciativas são temporárias e não justificam uma equipe permanente, estabelecer uma “equipe de ataque” (confira este artigo: strike team OKR) com um objetivo dedicado pode ser uma estratégia eficaz. Esta abordagem permite esforços concentrados em objetivos específicos e de curto prazo, garantindo que mesmo os projetos transitórios contribuem significativamente para os objetivos globais.

Conclusão

Em resumo, a estrutura Team OKR fornece um método estratégico e eficiente para as equipes atingirem os objetivos, enfatizando a colaboração e a responsabilidade, ao mesmo tempo que se alinham com os objetivos gerais da organização. Essa capacitação das equipes para elaborar e cumprir seus próprios OKRs cultiva uma cultura organizacional dinâmica, ágil e comprometida.

Este artigo faz parte de uma série relacionada a Team OKR.

Não fique de fora da próxima turma da Capacitação Team OKR e aprenda muito mais sobre o assunto.

Paulo Caroli

Paulo Caroli é um consultor, autor e palestrante altamente respeitado, conhecido por criar a metodologia Lean Inception. Como autor de cinco livros influentes sobre agilidade nos negócios, incluindo o best-seller Lean Inception, ele traz uma vasta experiência prática para seu papel como Inception & OKR advisor na Thoughtworks - Expert in Product and Project Inception, Advisor on Team OKR. Paulo está profundamente envolvido em workshops estratégicos, desenvolvimento de produtos digitais e na orientação de equipes sobre agilidade nos negócios e estratégia de produto.
Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Quando falamos “Gestão Ágil de Projetos” pensamos várias coisas como agilidade, projetos, ritos, ferramentas… Mas a verdade é que a base, o que é essencial, não pensamos. Talvez porque não temos esse conhecimento, ou porque não tivemos experiências para aprender. E é isso que a autora Annelise Gripp traz para você neste excelente artigo.

ler mais
Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Neste artigo, o autor JP Coutinho aborda a Lean Inception como uma ferramenta valiosa para melhorar a experiência do colaborador desde o início de projetos ou iniciativas. Ele compartilha sua experiência com a metodologia na criação de produtos de Gestão de Pessoas, incluindo ações de desenvolvimento e programas de incentivo, e destaca os benefícios principais para organizações e times com essa abordagem.

ler mais

Pin It on Pinterest