Precisa de ajuda para escolher o seu
treinamento ou tem alguma dúvida?

Construir produtos que sejam melhores para a sociedade: 7 princípios para trazer a tecnologia responsável como facilitadora

Imagem com fundo azul e a ilustração branca de dois bonecos abraçados, um ao lado do outro.

TAG:

Você já esteve em uma reunião ou workshop em que alguém sugeriu uma solução de tecnologia que parecia ótima no papel, mas depois acabou tendo consequências não intencionais ou impactos negativos? Como alguém que se preocupa em construir produtos que sejam melhores para a sociedade, sei como pode ser frustrante ver boas intenções darem errado. É por isso que me juntei ao meu colega Alexander Steinhart para escrever um artigo sobre tecnologia responsável sob o ponto de vista de pessoa facilitadora.

O conteúdo que você lerá a seguir foi traduzido da versão original em Inglês, publicada em 02/03/23 no site Mind the Product: Build products that are better for society: 7 principles to bring in responsible tech as a facilitator

 

Você é um líder facilitando uma sessão, uma reunião ou um workshop. Você está construindo produtos e se preocupa em construir o produto certo e construí-lo corretamente? Você se preocupa em melhorar a sociedade por meio da tecnologia e gerenciar o impacto da tecnologia no mundo? Então esse artigo é para você!

A tecnologia responsável é uma forma de trabalhar que alinha tecnologia e comportamento empresarial com interesses ambientais, sociais e individuais. Ela está abordando a sustentabilidade de forma holística, incluindo tópicos sociais e ambientais. Explora e considera ativamente os valores, consequências não intencionais e impactos negativos da tecnologia, e gerencia, mitiga e reduz ativamente riscos e danos. Embora existam resultados negativos a serem observados e mitigados, também pode haver novas ideias para capitalizar.

Uma facilitadora ajuda a organizar e orientar uma reunião, uma sessão ou um workshop. Nessa função, a pessoa facilitadora é crucial para trazer e promover a conversa sobre tecnologia responsável.

Neste artigo, mostramos sete princípios de facilitação para a tecnologia responsável, a fim de causar um impacto positivo no mundo, por meio da mitigação de riscos, mas também chamando a atenção e a cooperação de todos para soluções tecnológicas com resultados positivos. Muitos desses princípios fazem parte da caixa de ferramentas de um bom facilitadora, a chave é apenas usá-los e enfatizá-los mais e também aplicá-los às externalidades como você os aplicaria ao desempenho ou escalabilidade.

Os princípios a serem observados:

      1. Certifique-se de que as pessoas certas estejam na sala
      2. Alinhe com os valores da empresa e valores responsáveis
      3. Descubra consequências não intencionais, efeitos adversos e impactos negativos
      4. Descubra pontos cegos
      5. Gerencie, mitigue e reduza ativamente riscos e danos
      6. Compreenda as perspectivas para ir além dos dilemas e da polarização
      7. Responsabilidade também significa assegurar a prestação de contas

Alguns tópicos e exemplos são sobre desenvolvimento de produtos, porque estamos principalmente facilitando sessões e workshops relacionados a produtos. Mas a maioria dos conceitos e dicas se aplica às sessões de equipe e organização.

Vejamos cada um desses princípios.

 

1. Certifique-se de que as pessoas certas estejam na sala

As discussões que acontecem são moldadas por quem está participando ativamente. Como facilitadora, você deve garantir que as pessoas certas tenham sido convidadas para a reunião, sessão ou workshop. Além disso, você deseja garantir que todos participem, promovendo um espaço seguro e garantindo a equidade e a inclusão de todos os participantes. Você deve estar envolvido na seleção, convite e inclusão dos participantes, para ter os ingredientes mais importantes para um evento de sucesso: as pessoas totalmente presentes e participando ativamente.

Perguntas a serem feitas:

  • Quem é diretamente afetado pelo produto?
  • Quem é indiretamente afetado pelo produto? (por exemplo, com AirBnB, o vizinho do apartamento alugado e comunidades)
  • Temos participantes que representam essas pessoas ou são especialistas incluídos em coisas que podemos tocar?
  • Os participantes selecionados representarão um conjunto diversificado de clientes desde o início?
  • Os participantes convidados são representativos de nossas metas de equidade e inclusão?
  • Como podemos criar uma equipe diversificada em vários níveis (incluindo partes interessadas)?
  • Como podemos garantir que todos possam expressar suas perspectivas?

‘Diversidade é ser convidada para a festa; inclusão é ser convidada para dançar ‘, como afirmou Verna Myers. Como facilitadora, você deve garantir que as pessoas certas participem ativamente da reunião. Você deve se envolver desde o início e entender e apoiar a diversidade, equidade e inclusão do grupo.

Leitura adicional: Estruturas libertadoras para facilitação inclusiva

 

2. Alinhe com os valores da empresa e valores responsáveis

Organizações de tecnologia responsáveis ​​tomam decisões baseadas em valores e criam produtos alinhados com seus valores que incorporam dimensões éticas e morais. Como facilitadora, é importante ajudar equipes e organizações a criar produtos e soluções que satisfaçam seus clientes e usuários, resolvendo seus problemas e alinhados com seus valores. Para organizações responsáveis, esses valores incluem ética e moral, dimensões sociais e ambientais.

Os valores e questões escolhidos devem se tornar princípios orientadores e requisitos não funcionais que as equipes possam considerar posteriormente. Você deve realizar atividades e conversas estruturadas que permitam que as pessoas esclareçam seus valores e tomem decisões com base naquelas para a construção do produto certo e alinhado aos valores da empresa.

Perguntas a serem feitas:

  • Quais são os valores da nossa empresa?
  • Esses são os valores corretos, eles incluem aspectos éticos e morais?
  • Este produto, solução ou decisão está alinhado com nossos valores?
  • Como podemos tornar os valores mais tangíveis? (por exemplo, através de princípios)
  • Como será esse valor em várias situações para diferentes usuários?
  • Como podemos conectar o produto e as características do produto aos nossos valores?
  • Que comportamento veríamos em nosso produto que demonstrasse esse valor?

Para que um produto cumpra sua promessa, ele deve cumprir os valores da empresa e do usuário. As perguntas acima ajudam você a direcionar a conversa para falar sobre valores, esclarecê-los ainda mais e conectá-los à sua entrega futura.

Leitura adicional: Design sensível ao valor

 

3. Descubra consequências não intencionais, efeitos adversos e impactos negativos

‘Ame o problema, não a solução’, é uma declaração que as pessoas usam para indicar a importância de construir algo realmente útil que atenda às necessidades ou problemas subjacentes de um usuário. No entanto, mesmo com grandes intenções e esforços de alinhamento, pode haver consequências não intencionais e imprevistas para as soluções propostas. Como uma facilitadora técnica responsável, você deve ajudar o grupo a enxergar além da solução (os novos problemas que sua solução pode criar) e como navegar neles ativamente.

Ajude o grupo a pensar e “amar o problema, não a solução” não apenas para os problemas originais, mas também para o problema que a solução pode criar. Você deve questionar o grupo sobre possíveis consequências não intencionais e promover uma conversa sobre como navegar ativamente por elas. Quanto mais diversificada for a equipe, mais fácil será detectar consequências não intencionais.

Perguntas a serem feitas:

  • Existe uma possível consequência ou resultado não intencional causado pelo seu trabalho?
  • Olhando de um ângulo diferente, existe algum dano não intencional que você possa causar ou prejudicar?
  • Existem consequências não intencionais que também podem criar valor?
  • Como isso pode afetar diferentes grupos e mercados? O que isso pode significar se outro grupo ou mercado (não intencional) começar a usá-lo?
  • O que significaria se todos no mundo começassem a usá-lo?
  • Existem outras sugestões que podemos trazer ou chapéus para usar que tragam mais perspectivas?
  • Imagine que as coisas correram mal: quais seriam as manchetes negativas desencadeadas por nosso produto?

Mesmo com as melhores intenções, sempre há uma chance de que as coisas deem errado. Portanto, verificar repetidamente as consequências não intencionais ajuda a evitar armadilhas indesejáveis. Além disso, as consequências não intencionais podem não apenas ser prejudiciais, mas também agregar valor quando exploradas mais a fundo.

Leitura adicional: Prompts e perguntas fornecidas por Consequence scanning, Tarot cards of tech, Ethical Explorer 
                               Design Especulativo

 

4. Descubra pontos cegos

Você listou riscos e consequências imprevistas e não intencionais, mas pode não estar ciente de alguns deles. Estes são pontos cegos: coisas desconhecidas para você, mas conhecidas por outros. Os pontos cegos também podem causar efeitos adversos ou consequências não intencionais (positivas ou negativas). Por isso, dar visibilidade ao que nos é invisível é fundamental. Uma facilitadora eficaz deve ajudar o grupo de pessoas a entender o conhecimento geral do grupo e suas lacunas. Parte desse entendimento é descobrir os pontos cegos para que o grupo possa decidir como lidar com eles e não ser pego de surpresa.

Perguntas a serem feitas:

  • Onde podem estar áreas sobre as quais você não conhece o suficiente?
  • Quais são as coisas que você precisa investigar mais para descobrir seus pontos cegos?
  • Quais são as fraquezas que você negligencia por causa de nossos pontos fortes? (às vezes, sua força cria uma responsabilidade desconhecida)
  • Você está procurando ativamente feedback aberto e ouvindo-o?
  • Quem é o seu stakeholder mais irritante e o que eles estão dizendo?
  • Quem pode ajudá-lo a reconhecer seus pontos cegos?

É um desafio para muitas pessoas lidar com as coisas que desconhecem. Trata-se, então, de apontar as coisas que não existem dentro do grupo e que ninguém sabe. Modelos como a Incompetência Inconsciente e a Janela Johari ajudam a navegar ainda mais no espaço dos pontos cegos.

Leitura adicional: Modelo de aprendizagem consciente por competência
                               Janela de Johari

 

5. Gerencie, mitigue e reduza ativamente riscos e danos

Você decidiu construir a coisa certa, mas os produtos digitais têm vida própria. O uso, novos dados e valores de entrada podem alterar seu estado. Você descobre consequências não intencionais, efeitos adversos, impactos negativos e pontos cegos. Como facilitadora, você deseja ter uma atividade para falar sobre possível detecção, resposta e mitigação de riscos.

Perguntas a serem feitas:

  • O que você deve fazer para mitigar o risco se ele se tornar um problema?
  • Qual é o nosso trade-off entre valor e risco?
  • E se todos fizessem o que estou prestes a fazer?
  • Estamos tratando as pessoas como fins ou como meios?
  • Estamos maximizando a felicidade para o maior número de pessoas?
  • Ficaríamos felizes se esta fosse a história de primeira página nos jornais de amanhã?

Resumindo, você ajuda as equipes a avaliar e gerenciar riscos, aderir à conformidade e segurança e ter processos de resposta. Você apresenta a importante conversa sobre o equilíbrio entre valor e risco. Como resultado, equipes de tecnologia maduras e responsáveis ​​desenvolvem críticas, consciência e capacidade de resposta para possíveis desafios futuros.

Leitura adicional: Forças, Desafios, Oportunidades, Riscos
                               Atividade pré-mortem
                               Modos de Falha e Análise de Efeitos

 

6. Compreenda as perspectivas para ir além dos dilemas e da polarização

Nem tudo é A ou B claro e, muitas vezes, não há respostas “ou isso ou aquilo”. Você pode encontrar esses casos com frequência ao falar sobre valores, riscos e consequências não intencionais. Infelizmente, quando não há um A ou B aparente, ou os problemas são percebidos como dilemas, as pessoas tendem a pular de um extremo ao outro ou se sentirem bloqueadas e sobrecarregadas. Isso pode levar à indecisão, perda de tempo e desperdício de recursos. Muitas vezes, identificar critérios de decisão, diretrizes de decisão ou um tomador de decisão com antecedência pode ajudar nisso. Esses critérios de decisão também podem invocar valores e princípios para que haja mais clareza e menos impasse. Como facilitadora, você quer ajudar as pessoas a se desvencilhar e encontrar um meio-termo que ocupe o melhor dos dois mundos.

Perguntas a serem feitas:

  • Concordamos em um objetivo comum?
  • Quais são as dificuldades?
  • Existe uma saída para esse dilema? Talvez uma terceira opção?
  • Quais são os nossos critérios de decisão?
  • Quais são as polaridades relevantes nessas dificuldades e dilemas? Em seguida, mapeie cada um com mais detalhes com os pontos positivos e negativos de cada um.
  • Qual é o caminho para nós que combina pontos relevantes de ambos os lados?

Falar sobre as perspectivas, fazer trade-offs claros e mostrar um caminho que combine o melhor de dois mundos evitará desentendimentos futuros e agilizará as decisões. O mundo não é estático ou direto. Pensar, repensar e encontrar novas maneiras de navegar pelas polaridades percebidas permite soluções tecnológicas responsáveis.

Leitura adicional: Pensamento de polaridade, mapeamento de polaridade (especialmente bom ao trabalhar com valores)
                               Cartas do Paradoxo de Namahn

 

7. Responsabilidade também significa assegurar a prestação de contas

Você já percorreu um longo caminho para considerar os interesses dos indivíduos e das sociedades. Para fazer o que diz, como facilitadora, você deve ajudar as pessoas a agir de acordo com o que pretendem fazer. Em vez de deixar a sessão confusa no final, você deve trazer clareza. Evite sair do grupo sem próximos passos, apenas uma lista de tarefas sem um dono ou itens de ação pouco claros.

Perguntas a serem feitas:

  • Quem é o responsável por este item?
  • Até quando deve ser feito?
  • Podemos dividir este item em itens menores?
  • Quem deve ser informado sobre o andamento do item?
  • Quem deve ser consultado durante o trabalho?
  • Quando revisitamos esses tópicos novamente?
  • Temos um campeão de tecnologia responsável para lidar com esses problemas?

Ao ter próximos passos claros, uma lista de tarefas e uma responsabilidade clara para cada item, você pode conectar as pessoas com ações. Esclarece compromissos e responsabilidades, tornando-os visíveis para todo o grupo e aumentando seu impacto, aumentando assim o impacto de seu trabalho técnico responsável.

Leitura adicional: Matriz de decisão RCI
                               Acompanhamento de itens de ação

 

Resumindo

Ao trazer tecnologia responsável para a mesa, você pode causar um impacto positivo no mundo. Como facilitadora, você organiza e orienta reuniões, sessões e workshops. Devido ao seu papel de liderança, é seu dever fazer isso acontecer. Na próxima vez, antes de facilitar, revise esta postagem e compare se você considerou esses princípios.

Conforme exposto no artigo, tudo começa com você ajudando a incluir as pessoas certas. Em seguida, mostra como você pode criar mais clareza em torno de valores, consequências não intencionais, riscos e pontos cegos enquanto navega em dilemas e polarizações de forma produtiva. No final, fecha com você garantindo responsabilidade e repetibilidade.

Por último, mas não menos importante, ao mesmo tempo em que facilita mais reuniões múltiplas, sessões ou workshops com tecnologia responsável em mente, é importante descobrir maneiras pelas quais elas serão incorporadas às formas de trabalho das equipes e organizações.

Observação adicional: Se você está procurando mais estrutura e métodos em sua facilitação, confira o Manual de Tecnologia Responsável.

Nossos agradecimentos especiais a Alejandro Sánchez, Julien Deswaef, Kelly Cronin, Sathish Viswanathan e Martin Fowler por fornecerem feedback e sugestões para uma versão anterior deste artigo.

 

Gostou deste conteúdo?

Confira mais detalhes e agenda das próximas turmas dos Treinamentos Lean Inception, FunRetrospectivesA Arte da Facilitação.

 

Paulo Caroli

Paulo Caroli é um apaixonado por inovação, empreendedorismo, produtos digitais, processo, pessoas e transformação. Como autor do best-seller “Lean Inception” e facilitador de workshops estratégicos, sua contribuição tem sido fundamental para o avanço de práticas ágeis em diversas organizações. Como autor, palestrante, consultor e facilitador, Caroli já ajudou muitas pessoas, times e organizações a desbloquear ideias e aprimorar a forma de trabalhar, inspirando muitos a buscar o sucesso em suas próprias trajetórias profissionais.
Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Quando falamos “Gestão Ágil de Projetos” pensamos várias coisas como agilidade, projetos, ritos, ferramentas… Mas a verdade é que a base, o que é essencial, não pensamos. Talvez porque não temos esse conhecimento, ou porque não tivemos experiências para aprender. E é isso que a autora Annelise Gripp traz para você neste excelente artigo.

ler mais
Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Neste artigo, o autor JP Coutinho aborda a Lean Inception como uma ferramenta valiosa para melhorar a experiência do colaborador desde o início de projetos ou iniciativas. Ele compartilha sua experiência com a metodologia na criação de produtos de Gestão de Pessoas, incluindo ações de desenvolvimento e programas de incentivo, e destaca os benefícios principais para organizações e times com essa abordagem.

ler mais
Retrospectiva 2023

Retrospectiva 2023

Neste conteúdo, você vai conferir a Retrospectiva da Caroli.org neste ano de 2023. Veja o Top 5 de artigos mais lidos, episódios do nosso Podcast Mínimo Viável, eventos ao vivo, além das soluções que foram novidades na área In Company e muito mais.

ler mais

Pin It on Pinterest