🥳  No mês de Aniversário da Caroli.org, você estuda com 30% off usando o cupom: 7ANOSCAROLI. Escolha o seu treinamento!

Precisa de ajuda para escolher o seu
treinamento ou tem alguma dúvida?

Vamos limitar o WIP dessa pandemia!

TAG:

Pessoas que trabalham com métodos ágeis estão acostumados com os quadros visuais e como gestioná-los para melhorar o fluxo de trabalho.

Por exemplo o quadro abaixo:

  • A fazer – todos os itens que precisam ser trabalhados
  • Fazendo – itens que estamos trabalhando atualmente
  • Feito – itens que já completamos o trabalho

Há um diagrama que usamos para entender e atuar na melhoria do fluxo de trabalho. Esse é o diagrama de fluxo cumulativo, ou CFD – abreviação de Cumulative Flow Diagram, em Inglês.

No CFD conseguimos visualizar alguns parâmetros sobre o fluxo de trabalho e a correlação entre a quantidade de itens e o tempo que eles levam na etapa Fazendo.

A quantidade de itens na etapa Fazendo recebe o nome de WIP, abreviação de Work In Progress em inglês. Enquanto que o tempo decorrido por um item na etapa Fazendo recebe o nome de Tempo de Atravessamento, ou Lead time em inglês. Você consegue visualizar ambos parâmetros no CFD.

WIP on the CFD

lead time on the CFD

O WIP é proporcional a média do Tempo de atravessamento. Ou seja, quanto maior o WIP, maior será a média do Tempo de atravessamento. Essa correlação recebe o nome de Lei de Little (ou Little’s Law em inglês pois essa correlação foi descrito por John Little em 1961). Essa correlação também pode ser visualizada no CFD.

Em projetos ágeis, prestamos muita atenção a essa correlação, pois queremos entregar rápido. Para tanto, limitamos o WIP para reduzir a média do tempo de atravessamento.

Agora, ao invés de pensar em um quadro visual de trabalho, vamos pensar num quadro visual sobre a pandemia do COVID-19. Ao invés das etapas A Fazer –> Fazendo –> Feito, considere as seguintes etapas para o fluxo do COVID-19:

Nunca teve infectado -> Infectado e Infectando outros -> Já teve e não está mais infectado

Onde:

  • Nunca teve infectado – é toda a população que ainda não se infectou; talvez um dia se infecte ou nunca se infecte.
  • Infectado e infectando outros – é a população que já está com o virus, sabendo ou não. São as pessoas que podem estar infectando outras, até que os sintomas passem e ela não esteja mais com o virus.
  • Já teve e não está mais infectado – são as pessoas que já tiveram o virus e não tem mais. Não transmitem o virus, pois ou se curaram e não tem mais o virus, ou faleceram.

Agora vou fazer os gráficos CFD para dois cenários: o primeiro com o isolamento social efetivo a partir da semana 7 e o segundo com o isolamento efetivo a partir da semana 3.

Eu não sou especialista sobre o COVID-19, mas descrevo abaixo as considerações realizadas para gerar os gráficos para ambos os cenários:

  • Considere que 4 semanas após a pessoa estar infectada, ela não infecta mais, ou seja, ela passa da etapa Infectado e infectando outros para a etapa Já teve e não está mais infectado.
  • Considere um condomínio de casas com uma população total de 200 habitantes.
  • Considere que a expansão do virus é exponencial até que ocorra o isolamento; ou seja, se na semana 1 tem 2 casos, na semana 2 terão 4 casos, na semana 3 terão 8 casos, e assim por diante.
  • Considere que uma vez que ocorra o isolamento, não há mais novos casos, ou seja não há mais pessoas passando da etapa Nunca teve infectado para a etapa Infectado e infectando outros

Cenário 1 – isolamento efetivo a partir da semana 7

Semana  – Nunca teve infectado – Infectado e infectando outros – Já teve e não está mais infectado.

semana 119910
semana 219820
semana 319640
semana 419280
semana 5184151
semana 6168302
semana 7136604
semana 8136568
semana 91364915
semana 101363430

No gráfico, a área azul demonstra, semana a semana a quantidade de pessoas na etapa Nunca teve infectado; a área marrom a quantidade de pessoas na etapa Infectado e infectando outros, e a área cinza a quantidade de pessoas na etapa Já teve e não está mais infectado. A seta azul demonstra o momento em que ocorre o isolamento, a partir do qual não há mais novos casos de infecção.

 

Cenário 2 – isolamento efetivo a partir da semana 3

Semana  – Nunca teve infectado – Infectado e infectando outros – Já teve e não está mais infectado.

semana 119910
semana 219820
semana 319640
semana 419640
semana 519541
semana 619802
semana 719604
semana 819604
semana 919604
semana 1019604

Se você não é de métodos ágeis, eu não espero que entenda a teoria por trás desse exemplo e do CFD, mas imagino que você enxergue nos dois gráficos resultados muito diferentes dependendo de quando começa (seta azul nas imagens acima) o limite do WIP.

Espero ter te ajudado a entender que, com o isolamento social, limitamos o WIP, e  quanto menor o WIP (número de pessoas atualmente infectadas e infectando os outros), menor o tempo para atravessarmos essa pandemia.

AVISO: Não sou médico, virologista, político ou economista. Sou apenas um agilista compartilhando sobre o CFD e a pandemia. Este post não tem o intuito de fomentar, defender e/ou ir contra nenhum ponto sobre medicina, política ou economia.

>> Tenho um eBook sobre o Diagrama de Fluxo Cumulativo. Em breve serás lançado na Amazon, mas, por mais alguns poucos dias, você pode baixá-lo gratuitamente aqui.

>> Assista no YouTube.

Comentários no LinkedIn.

 

 

Paulo Caroli

Paulo Caroli é um consultor, autor e palestrante altamente respeitado, conhecido por criar a metodologia Lean Inception. Como autor de cinco livros influentes sobre agilidade nos negócios, incluindo o best-seller Lean Inception, ele traz uma vasta experiência prática para seu papel como Inception & OKR advisor na Thoughtworks - Expert in Product and Project Inception, Advisor on Team OKR. Paulo está profundamente envolvido em workshops estratégicos, desenvolvimento de produtos digitais e na orientação de equipes sobre agilidade nos negócios e estratégia de produto.
Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Qual é o alicerce da Gestão Ágil de Projetos?

Quando falamos “Gestão Ágil de Projetos” pensamos várias coisas como agilidade, projetos, ritos, ferramentas… Mas a verdade é que a base, o que é essencial, não pensamos. Talvez porque não temos esse conhecimento, ou porque não tivemos experiências para aprender. E é isso que a autora Annelise Gripp traz para você neste excelente artigo.

ler mais
Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Transformando a Experiência do Colaborador com Lean Inception

Neste artigo, o autor JP Coutinho aborda a Lean Inception como uma ferramenta valiosa para melhorar a experiência do colaborador desde o início de projetos ou iniciativas. Ele compartilha sua experiência com a metodologia na criação de produtos de Gestão de Pessoas, incluindo ações de desenvolvimento e programas de incentivo, e destaca os benefícios principais para organizações e times com essa abordagem.

ler mais

Pin It on Pinterest